sistemas representacionais

Visual, auditivo e Cinestésico: o que são sistemas representacionais na PNL?

Você sabe o que são os sistemas representacionais? Eles moldam a forma como interagimos com o mundo e como aprendemos coisas novas.

Recentemente, a Universidade de Rochester, em Nova Iorque, descobriu que os jogos, principalmente aqueles em primeira pessoa, podem contribuir para o desenvolvimento de maior acuidade visual.

Isso significa que quem passa várias horas em frente ao videogame pode usar isso a seu favor no trabalho e estudos. Ainda assim, os pesquisadores tentam entender como essa habilidade pode ser aproveitada de maneira produtiva.

Mas não é somente a visão que contribui para desenvolvimento de novas habilidades. Você, por exemplo, já ouviu falar do Bira que ensina matemática cantando? Sim, seus alunos têm tido resultados surpreendentes.

Por isso que nossa conversa de hoje vai ser sobre “o que são os sistemas representacionais” e como usar eles a seu favor.

 

O que são os sistemas representacionais?

Os sistemas representacionais servem como filtros para que a gente signifique o mundo. A partir deles criamos conceitos, nos relacionamos com as pessoas e com os ambientes a nossa volta.

Vale lembrar há uma diferença entre os 5 sentidos e os sistemas representacionais.

Isso porque, com exceção das pessoas com deficiência, todos temos os 5 sentidos: visão, audição, paladar, olfato e tato. Contudo, quando falamos em representação, isso significa que um sistema vai se sobressair ao outro.

Você provavelmente já deve ter conhecido alguém que se expressava muito melhor pela visão do que pela audição, por exemplo.

 

Sistema Representacionais: entenda cada um deles

Assim, no estudo da neurociência os sistemas representacionais são divididos em 4 categorias, as quais veremos a seguir.

 

Visual

Como o nome subentende, o sistema visual está relacionado aos olhos. Aqueles que exploram o mundo visualmente, não só presta mais atenção em detalhes, mas foca em cores, expressões faciais, conteúdo de vídeos, imagens e filmes.

Na verdade, se você tiver esse sistema representacional como principal, é bem provável que você tenha facilidade para aprender se ver imagens, diagramas e fotografias.

Além disso, é bem provável que você possa desenvolver a memória fotográfica. Contudo, quem utiliza este sistema tem dificuldades em registrar informações orais ou lembrar de instruções ao pé da letra.

 

Auditivo

Já as pessoas que fazem uso da audição para se posicionar no mundo podem ter mais facilidade com o contato com música, ordens verbais e informações auditivas.

Pense por um momento, se você é o tipo de pessoa que ao chegar em determinado local repara nos ruídos, tons de vozes e “acústica” do local, provavelmente faz parte deste grupo.

Isso não significa, porém, que você não pode se treinar para melhorar a acuidade de um sentido. Como vimos, o professor Bira conseguiu que seus alunos melhorassem o desempenho por meio da música.

Por falar nisso, caso você queira mudar o modo como vê as coisas e ter uma perspectiva, veja esse artigo aqui sobre como construir novos hábitos.

 

Cinestésico

O cinestésico vai organizar seu mundo a partir de experiências sensoriais, como paladar, tato e olfato. David Gordon e Michel Lebeau, em seu livro “O método emprint”, explicam que até mesmo os termos usados pelo cinestésicos tendem a esses sentidos, veja:

“Sentir, quente, agarrar, tropeçar, suave, áspero, firme, tatear, relaxado, pressão etc.”

Ao pensar em “o que são os sistemas representacionais para essa pessoa”, podemos logo relacionar conceitos relativos à textura, temperatura e conforto.

Para se ter uma ideia, imaginemos que Ricardo é cinestésico e está em busca de uma casa nova. Para ele, não basta apenas ver as imagens da casa pela internet ou ouvir o corretor explicando sobre as dimensões dela.

Ricardo precisa estar no ambiente, sentir por onde entra a luz solar, notar se os cômodos são úmidos ou secos, se tem cheiro de mofo etc.

 

Auditivo Digital

Para entender como opera quem usa mais o sistema Auditivo Digital, é melhor nos ancorarmos na definição que André Percia traz em seu livro: A hipnose sem segredos: a Bíblia da hipnoterapia prática. Para ele

“O sistema digital ou auditivo digital é a forma de pensar usando palavras, compreendendo o ato de falar consigo mesmo (diálogo interno). A pessoa basicamente conversa consigo e tende a ser mais racional e lógica.”

Em uma situação eu pude presenciar exatamente isso, estava caminhando na biblioteca de uma universidade, quando percebi que um aluno de engenharia estava debatendo consigo mesmo as hipóteses de uma questão.

É interessante pensar que ele se colocava no papel de dois interlocutores, não só criava teses, mas tentava refutá-las.

 

O que são os sistemas representacionais para a PNL?

Bom, mas o que tudo isso tem a ver com Programação Neurolinguística? Ora, tudo!

Se você conseguir descobrir qual a melhor forma pela qual você conversa com o mundo, você estará hackeando seu próprio cérebro. Vou trazer um exemplo para ilustrar melhor.

Bianca tem 23 anos e uma vontade enorme de aprender a falar francês, o problema é que ela já começou mais de 5 cursos diferentes e nunca consegue passar do Bonjour. Entretanto, ela passou a perceber que aprende muito melhor lendo quadrinhos em francês.

Sabe o que isso significa? Que ela esteja mais próxima do sistema representacional visual. Pronto, agora ela tem um norte que pode facilitar todo aprendizado.

Ao invés de ter que ouvir diálogos no idioma estrangeiro, ela pode pedir ao professor para usar flashcards, filmes e outras ferramentas que correspondam a realidade dela.

 

Na verdade, por meio da PNL, conseguimos usar exatamente a abordagem que David Gordon e Michel Lebeau explicaram. A gente tende a se expressar usando nossa linguagem interna.

Assim, o visual vai apelar para termos da visão (observar, ver, parecer), o auditivo para palavras que evoquem a audição (ouvir, escutar, dar ouvidos) e assim por diante.

Tudo isso pode nortear o modo como a PNL fará parte do seu dia a dia.

 

5 benefícios de saber identificar os sistemas representacionais

Ainda não se convenceu? Tudo bem, vou te mostrar 5 benefícios de identificar os sistemas representacionais:

 

1.    Dinamizar o aprendizado

Como vimos no exemplo da Bianca, a partir do momento que você sabe qual sentido seu opera mais consistentemente, você pode buscar ferramentas de trabalhar com ele.

Mas não para por aí, sabendo identificar, você também pode otimizar a dinâmica que outras pessoas ao seu redor aprende as coisas. Imagina só seu filho, ou colegas de trabalhos produzindo com mais suavidade do que anteriormente.

 

2.    Organizar melhor a rotina

Em segundo lugar, isso pode te ajudar a organizar sua rotina. Para se ter noção, conheci um rapaz, que vou chamar de Daniel. Ele tinha muitas dificuldades organizacionais.

Contudo, ao participar de um estágio na faculdade, Daniel descobriu um novo jeito de planejar a semana. Toda segunda-feira os diretores escreviam uma agenda em um quadro enorme na sala.

A partir daí, ele foi ficando cada vez melhor em sua rotina. Ele instalou um quadro em seu quarto e sente que se expressa muito melhor a partir dele. Ali ele organiza sua agenda semanal e compromissos importantes.

 

3.    Estabelecer rapport

Você já ouviu falar em rapport? É a capacidade de estabelecer vínculo com as pessoas independente do grau de intimidade. Pois bem, uma das técnicas de desenvolver rapport é por meio da identificação do sistema representacional da pessoa.

Se você está lidando com alguém auditivo, você pode usar esse tipo de recursos para ser compreendido e potencializar sua relação. De forma que é possível criar uma ponte entre seu mundo e o mundo da pessoa em questão.

 

4.    Descansar o cérebro

O que muitos não notam é que seu cérebro acaba ficando sobrecarregado quando você tenta utilizado por vias que não fazem parte de suas características.

Se você pedir a uma pessoa visual que receba uma grande quantidade de informações auditivas, é bem provável que isso cause um estresse e chegue um ponto que prejudique seu desempenho.

É como tentar um equipamento 127v em uma tomada 220v. O contrário também é verdade. Se um cinestésico tem a possibilidade de tocar, sentir cheiros e criar vínculos emocionais, ele leva seu cérebro a um estado de melhor funcionamento.

 

5.    Encontrar novas habilidades

Por último, pode ser que você passou esse tempo todo em uma perspectiva que não te favoreça. Você já tentou se dedicar a pintura, música, artesanato, literatura?

Saber qual seu principal sistema representacional pode ser a chave para um mergulho no autoconhecimento e descobertas de novas habilidades.

 

Como descobrir qual o seu sistema representacional?

Bom, depois de tantos detalhes sobre “o que são os sistemas representacionais” você deve estar pensando: mas Fátima, como descubro qual o meu?

Esse processo de descoberta não é tão simples, o melhor é que você tenha um profissional que te guie. Ainda assim, um bom começo é fazer alguns testes online, como:

Mais uma vez reitero, tenha um profissional sério te ajudando nestas descobertas para que elas sejam de fato acuradas.

Para que você continue no caminho do desenvolvimento pessoal, eu separei um artigo sobre como lidar com a procrastinação, você confere ele clicando aqui.

Leave a reply